Não há nada melhor que uma punheta anal - Biografias Eróticas

Não há nada melhor que uma punheta anal

Zonas erógenas masculinas o ânus é a principal
Acredito que todos os homens têm desejos eróticos com o ânus
Essa ideia errada que só é para homossexuais resulta de uma interdição religiosa
É por isso que os homens que transgridem procuram travestis

Não há ninguém que não saiba o que são zonas erógenas do corpo. Se existe alguém que não saiba são partes do corpo que ao serem tocadas, produzem uma explosão de sensações. São regiões do corpo mais sensíveis a carícias e que podem desencadear o desejo sexual, por vezes mais até do que os órgãos sexuais propriamente ditos.

No homem, um deles é o ânus e toda a zona envolvente, que ao ser estimulado com a mão e os dedos, dá normalmente um enorme prazer no homem, e só o preconceito impede que o mesmo sozinho ou com companheiros, mesmo que seja a mulher, tire prazer dessa estimulação.

Com a mão, ou com penetração, não há homem que não tire prazer da estimulação táctil do orifício externo do ânus, que não só beneficia a saúde devido à massagem da próstata, como dá imenso prazer provocando a ejaculação.

Só o preconceito e as convenções mal formadas criaram essa ideia de proibido e que a estimulação anal é típica de homossexuais ou rabos como eu.

Por mim não ligo a nada disso, transgrido essa ordem social e pronto, e quando me apetece pratico sozinho, com a minha mulher ou outro companheiro sexual aquilo que eu chamo de "punheta anal".

Como a faço é simples, preparo um óleo e passo-o pelo rego do rabo, espalhando-o suavemente pela zona do ânus e envolvente.

Deito-me de barriga para baixo, elevo o rabo e com os dedos começo a friccionar ao de leve a zona do ânus e a zona entre o orifício e a base dos testículos que é onde se situa a próstata.

Gosto particularmente de, ao mesmo tempo que fricciono o ânus, ir passando a mão pelas nádegas e pelas costas, como se simulasse que me estão a penetrar. 

À medida que fricciono vou metendo um ou até mais dedos no cu, até o mais fundo que consigo. 

A punheta anal como não é tão espontânea como a punheta punheta, pode ir-se parando uns bocadinhos para prolongar o prazer. 

Uma punheta anal bem feita, até pela nossa mulher, chega a dar-nos mais prazer que uma boa foda.

Quando a punheta anal vai já prolongada, normalmente o meu corpo começa a estremecer para baixo e para cima, e venho-me sem sequer tocar ou estimular o pénis.

A Ângela, minha mulher tem-me feitas tantas que se tornou uma especialista, e quando se esmera com o ambiente e os adereços, é coisa para nunca mais esquecer.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo