Como torrar em sol fresco na praia - BIOGRAFIAS ERÓTICAS
Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapanesePortugueseRussianSpanish

Como torrar em sol fresco na praia

Bela é a memória dos Verões que passávamos na praia ao sol, o local de encontro era sempre o mesmo, em que eu e os meus amigos nos juntávamos estendidos nas toalhas com os nossos corpos dias inteiros a torrar ao sol numa praia insuspeita.

Foi ali que conheci o Mateus, o rapaz que trabalha na praia, ave de migração, por ali aparecia todos os anos para se encarregar da montagem e aluguer das cadeiras e toldos, com o cabelo desgrenhado do sol e do mar deste e de outros Verões, o corpo muito queimado do excesso de exposição diária.

Admirava-o nas suas tarefas, a atender os clientes, a correr da areia para o barracão onde dormia e guardava os materiais, sempre solicito, não connosco, rapazes novos, mas com aquelas mulheres mais velhas que desciam ao mar para se bronzearem, enquanto os maridos se matavam a trabalhar, e elas afoitas se excitavam a olhar os nossos corpos jovens, a imaginarem-nos a comê-las.

Quando o Mateus descansava, na hora em que o sol é mais quente, ele mais velho do que eu, trocávamos palavras e silêncios, não sei porquê, mesmo não sendo bonito, magro tanto que era só pele e osso, com aquele ar de homem duro, sentia um forte desejo por ele, nos meus sonhos e divagações de areal, de brilho nos olhos intensos do sol, queria muito que ele me fosse ao cu.

Comecei a conhecê-lo melhor, a perguntar o que fazia, a querer que fosse um meu amigo, ao mesmo tempo em que tecia a minha teia, nem que fosse por breves e fugazes momentos, de ser também seu amante.

Não sabia o que esperar, era uma incógnita como sempre, oferecer-lhe o meu corpo e aguardar, esperar que o queira e me deseje, com o meu ânus ardente, só queria dar-lhe o meu cu, mesmo com os meus amigos ali tão perto, se calhar deitados na areia a ver-me, mas eu tinha de arriscar, pronto que estava a ser fodido.

Naquele dia, pedi ao Mateus se podia tomar banho no chuveiro dele, aquele que tem no barracão das coisas dele, e quando ele disse que sim, e me levou para o interior, senti que ele sabia o que eu queria, tirei os calções e despi-me todo para ele.

Vendo-me, a água a correr no meu corpo, a minha mão lenta a passar pelo meio das nádegas, o meu rabo oferecido virado para ele, a acariciar o meu ânus, os meus olhos nos dele, a pedir-lhe "vem Mateus, vem-me ao cu, ardo em tesão", ele agarrado ao caralho, surpreendido na obscuridade, mesmo com o saber antecipado, de que lhe parecia eu ser rabo, e querer muito que ele me fosse ao cu.

Em silêncio fechou a porta do barracão, e nós naquela penumbra divina, de calor e expectativa, um sol a querer entrar, a forçar as portas e as janelas, um chão de cimento fresco e liso, aproximou-se de mim, despiu-se e bem teso, beijou-me os mamilos, agarrou-me todo como se fosse uma mulher.

Deitámo-nos sobre uns toldos, beijava-me o corpo, na barriga, no peito, nos mamilos, no rabo, o corpo dele uniu-se ao meu, o pénis a roçar-me as pernas, o cheiro húmido dele, na minha mão e na minha boca, chupei-o todo, procuro-o, enterrado bem fundo, na minha garganta e nos meus lábios.

Encontrou a minha boca, a minha língua que se uniu à dele e lha dei, beijando-me lânguido, como se me amasse, como se tivesse por mim uma paixão, mais desejo me dava o seu querer, o meu rabo aberto, o meu cu, o meu ânus, para ele foder.

Colou-se a mim, nas minhas costas, sentia-o duro, beijava-me louco, a penetrar-me lento, a cabeça do pénis a entrar em  mim, a abrir-me todo, a cavar bem fundo, a língua corria na minha boca, suspirei livre "ai tão bom, adoro levar no cu".

O Mateus fodia-me sentido, como se tivesse uma missão, as ancas dele a forçarem-me o ânus, a bater-me cada vez mais forte, à medida que acelerava, o pénis dele a partir-me todo, o meu rabo empinado, via-lhe nos olhos e no rosto, o prazer do meu prazer, a procurar a sua boca, quando urrou livre, a vir-se todo.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo