Agosto 2017 - Biografias Eróticas

#2 Pérolas de Fim de Verão

23:23 0
#2 Pérolas de Fim de Verão
José Bezerra da Silva (Recife, 23 de fevereiro de 1927 — Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 2005) foi um cantor, compositor, violonista, percussionista e intérprete brasileiro dos géneros musicais coco e samba, em especial de partido-alto.

No princípio, dedicava-se principalmente ao coco até se transformar em um dos principais expoentes do samba nos anos seguintes. Através do samba, cantou os problemas sociais das favelas e da população marginalizada, atuando ente marginalidadee indústria musical. Estudou violão clássico por oito anos e passou outros oito anos tocando na orquestra da Rede Globo, sendo um dos poucos partideiros que lia partituras.

Gravou seu primeiro compacto em 1969 e o primeiro disco em 1975, de um total de 28 álbuns lançados em toda a carreira que, somados, venderam mais de 3 milhões de cópias.

Ganhou 11 discos de ouro, 3 de platina e 1 de platina duplo.[3] Apesar de ter sido um dos artistas mais populares do Brasil, foi um artista bastante ignorado pelo "mainstream".

Belos videos dos seus compositores, um deles Nilo Dias




* Caguete: Sujeito que entrega outra pessoa.
"Era caguete sim, era caguete sim, eu so sei que a policia entrou no velório e o dedão do safado apontava pra mim." (Bezerra da Silva).

#1 Pérolas de Fim de Verão

23:07 0
#1 Pérolas de Fim de Verão

As Rosas Não Falam

Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão
Enfim
Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim
Queixo-me às rosas
Que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai
Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim
Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão
Enfim
Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim
Queixo-me às rosas
Que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai
Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim
Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim

Satyricon de Fellini (Filmes para férias)

18:23 0
Satyricon de Fellini (Filmes para férias)
Filme baseado em livro escrito por Gaius Petronius, ainda Cristo não era nascido, cerca de um século antes.

No Satyricon, Petrónio demonstra as manifestações sociais e o panorama cotidiano dos romanos. A história é baseada nas peripécias de Encólpio, narrador e personagem principal – que havia profanado o culto a Priapo –, Gitão, um rapaz por quem Encólpio se apaixona e Ascilto, com quem formam um triângulo amoroso, que depois será substituído por Eumolpo, poeta de péssima categoria. 

É claro que não podemos esquecer que o julgamento crítico do livro deve ser sempre relativizado, pois há muitas dúvidas temporais e de registos. Porém, é claramente demonstrado, que Petrónio constrói no Satyricon um universo miserável e corrupto que representa diversas classes sociais e um vasto panorama cotidiano dos romanos. Dessa forma, o autor extrapola o universo literário, e chega a reflexões ligadas à filosofia, à história e à crítica sociológica.

Estranho que chegue, mas não diferente do presente.

Soneto do Olho do Cu (em férias)

22:03 0
Soneto do Olho do Cu (em férias)
Nada pior que a crise da folha branca e para a atacar de frente nada como fazer umas férias.

O “Soneto do olho do cu” não foi divulgado na forma impressa, mas preservado durante décadas, em ambíguo ocultamento que também significou sobrevivência.

Rimbaud e Verlaine não escreviam para se tornarem autores canónicos (o que lhes renderia, além de prestígio, muito dinheiro). Pelo contrário, enfrentavam os cânones do gosto e das relações de poder. 

Poetas malditos à época e porventura ainda hoje, porque, bem vendo, pouco ou nada mudou, apenas a máscara, sobreviveram ao tempo, os outros não.


SONETO DO OLHO DO CU

Obscuro e franzido como um cravo roxo,
Humilde ele respira escondido na espuma,
Úmido ainda do amor que pelas curvas suaves
Dos glúteos brancos desce à orla de sua auréola.

Uns filamentos, como lágrimas de leite,
Choraram, ao vento inclemente que os expulsa,
Passando por calhaus de uma argila vermelha,
Para escorrer, por fim, ao longo das encostas.

Muita vez minha boca uniu-se a essa ventosa;
Sem poder ter o coito material, minha alma
Fez dele um lacrimário, um ninho de soluços.

Ele é tonta azeitona, a flauta carinhosa,
Tudo por onde desce a divina pralina*,
Canãa feminino que eclode na umidade.

(Paul Verlaine e Arthur Rimbaud)


A tradução é de Heloísa Jahn e está no livro Para ser caluniado – Poemas Eróticos, mas a beleza dos detalhes é invenção e culpa exclusivas dos poetas.

(*) pra.li.na sf (fr praline) Noz confeitada.


No que se refere ao objeto tematizado pelo poema de Verlaine e Rimbaud (o olho do cu), há um riso de acolhimento, visão carinhosa e desejante daquela parte menosprezada do corpo - um olho de fêmea, conforme a referência parodiada e o anúncio no verso final: Canaã feminino. 

Na condição de paródia, essa identificação de género se torna objecto de flutuações: será isso mesmo? E o ato de parodiar também permite perceber que nada é apenas sagrado nem apenas maldito, no jogo sem fim da metaliteratura, rindo do objeto de paródia, mas também rindo de si. O corpo e a literatura são objetos do riso, e também sujeitos desse ato. O riso de Rimbaud e Verlaine sabe que faz parte do mundo rido e ridente.

O poema apresenta o olho do cu, antes de mais nada, através de imagens que remetem a sua difícil visibilidade (obscuro), misturada a desprestígio social (identificação a sujeira, feiúra – virada pelo avesso no poema, todavia), a seu caráter tátil (pregueado), a cor e potencial aroma (cravo violeta). É como uma flor de difícil acesso, para ser vista, apalpada, cheirada. Trata-se de um trânsito repentino, do ignóbil ao absolutamente nobre, beleza visual, perfume e textura de flor, dotado de uma nobreza outra, diferente dos valores instituídos. E a poesia de Rimbaud e Verlaine opera esse trânsito.

(Rir do Corpo - Paródia e riso num poema de Rimbaud e Verlaine (Marcos Silva))

Como dar o rabo - 3 passos

22:01 0
Como dar o rabo - 3 passos
Não me ligo nessa coisa do estereotipo do homossexual. Não quero, não desejo, não amo, não gosto, nem penso ter uma relação com outro homem. Tenho só esta coisa de gostar da sensação erótica, livre e espontânea de ser enrabado. Sexo, erotismo, sentidos sem sentimentos. 

Mas dar o rabo a outro homem pressupõe que se retire prazer. Aí o prazer pode ser de vários tipos dependendo da pessoa que dá e que recebe o cu. Pode ser sensual erótico, sadomasoquista, ou outro, como de submissão ou dominio.

Poderá ser só abrir as pernas e pronto, como poderá ser algo mais, como uma experiência emocional e afectiva, que envolve os sentidos, e para quem o deseje, sentimentos mais descomplicados como o de amizade.

Elenco alguns pontos a ter em conta:

1. Desmistificar o ânus:

O ânus, talvez por não ser um instrumento de órgão reprodutor como o pénis e a vagina, e ao mesmo tempo estar associado à libertação dos resíduos não desejados pelo corpo, tem associada a carga pejorativa de local sujo.

Só que por vezes parece esquecer-se que também o pénis e a vagina são instrumentos de libertação de resíduos não desejados pelo corpo. Está bem, uns são líquidos e outros sólidos, mas tal não significa que não sejam igualmente sujos. 

O ânus, mais propriamente o recto, se vazio, possui elementos internos que o tornam limpo e fazem dele um meio sexual mais higiénico até que a vagina ou o pénis.

A maioria das doenças sexualmente transmissíveis têm origem na utilização de uma vagina não higienizada.

Donde a questão é sempre a mesma, saber escolher com quem se tem relações, aproveitando o potencial erógeno do ânus, sabendo distinguir uma pessoa de carácter e de corpo limpos, daqueles que o não são.

E não se esqueça que dar o cu é natural, olhe bem para os animais, não todos é certo, mais os parecidos com o homem, gostam de dar, levar e comer o cu.

Imagem de Mystic Art Design por Pixabay

2. Preparação e ambiente

A preparação e o ambiente são muito importantes de quem gosta de dar o cu. Só que há sempre muitas circunstâncias que podem colocar em causa esses factores, tendo que adaptar-se às várias situações que ocorrem.

Um engate ocasional é diferente do contacto ou ligação com um amigo com quem se combina previamente um encontro e há tempo para se preparar tudo.

Ter uma relação em casa, é diferente de tê-la num hotel, num carro, ou até numa casa de banho. O ideal é tê-la em casa no recato da habitação, com alguém que se conhece, moderando o ambiente, uns cheirinhos que contam, umas luzes mais tranquilas, uns espelhos que são muito importantes, lubrificante e óleos essenciais.

Mas compreendo que por vezes no carro à saída de um bar, ou até numa casa de banho de uma discoteca ou qualquer outro sitio, pode ser mais excitante. Aí na preparação contam os gestos, a colocação da voz, o saber entender e excitar o outro.

3. Execução de dar o cu

Esta deve ser a parte mais fácil. Mas cuidado o cu devido à sua dinâmica própria tem tendência para fechar. Mesmo para aqueles que sabem ir ao cu, tem que se dar sempre umas instruções e pedir paciência. Se estiver lubrificado a pénis pode escorregar melhor, mas isso não implica que não custe um bocadinho ao principio.
Dica útil: Quando me estão a penetrar, eu costumo bater na perna dele, como que a dizer "agora só a cabecinha, espera um pouco". Vou sentindo o cu a abrir devagarinho, mais fácil se estiver com muita tesão, e vou dando instruções para meter mais lá dentro.
Quando o cu está bem lubrificado de cima a baixo, eu gosto de dizer "parte-me o cuzinho todo", para manter o homem focado no meu cu. Para o incentivar ainda mais, gosto de olhar para ele, a abrir uma nádega e a empinar o rabo, para o excitar.

Há mais, mas isto é o mais importante.

Dar o cu é bom e faz bem

19:53 2
 Dar o cu é bom e faz bem

História

Há aproximadamente quatro mil anos, Deus olhou para a Terra e apanhou em flagrante os habitantes de uma cidade entre o Rio Jordão e o Mar Morto entregues aos prazeres da carne – mais especificamente, do ânus. 

É o que conta a Bíblia sobre Sodoma e como o seu povo teria desaparecido, por volta do ano 1.400 A.C, ao provocar a ira do Senhor com tamanha lascívia. Os sodomitas desapareceram, mas, hoje, em pleno século 21, o pecado deles permanece vivo entre nós.

Embora se fale mais no assunto de dar o cu, por exemplo, o de o comer a outro homem, o assunto continua tabu.

Não é para menos. A região anal não foi necessariamente “projetada” para o sexo e, nos países com forte influência religiosa, usar uma parte do corpo pura e simplesmente para o prazer é chocante. 

Apesar de ir e levar no cu ser uma prática comum nas relações sexuais entre homens e até com mulheres, além de não servir para a procriação, no geral a sociedade é ainda muito preconceituosa.

O preconceito com o cu, porém, é proporcional ao nosso fascínio pela região. 

Recentemente, uma performance artística causou enorme polémica porque os atores exploravam os ânus uns dos outros em cena. 

“Isso lá é arte?!”, esbravejaram os mais educados críticos da internet sobre o espetáculo “Macaquinhos”, que foi exibido até na Europa.

O cu, antes marginalizado, agora é uma estrela.

Hipocrisia

Se, na prática, o cu tem o seu lugar cativo, no discurso, não é bem assim. 

Há hipocrisia em relação a sexo. Na pornografia, por exemplo, há pesquisas que mostram que as pessoas, ao mesmo tempo em que usufruem de pornografia, reprovam o seu consumo.

No caso do sexo anal heterossexual, estudos recentes mostram que há mais abertura para a prática, embora não seja possível ter a certeza se as pessoas estão fazendo mais ou apenas falando mais sobre o assunto. 

O problema é que, para a maioria das pessoas, o sexo anal ainda é para ‘dar de presente’, e não visto como uma potencial fonte de prazer, enquanto outros acreditam que dar o cu é um hábito de gays, meninas “fáceis” e de “vagabundas”. 

Comer cu é poder

A noção pejorativa da prática de ir ao cu tem raízes históricas, em que a penetração anal está associada unicamente à dor e à submissão. Ao ouvir ‘sexo anal’, ninguém pensa em carícias e beijos, muito menos entre duas mulheres. 

O imaginário masculino também se alimenta dessa noção. Para um homem heterossexual, é relativamente fácil obter sexo vaginal com a parceira, já o anal é mais difícil (isto devido a preconceitos e limites morais) e, portanto, mais “valioso”.

“O cu é o novo hímen”

Photo by Charles 🇵🇭 on Unsplash
Para completar a mítica que envolve o ânus, existe ainda a influência de preconceitos de género nos discursos sobre o assunto. De acordo com o senso comum, se um homem pratica sexo anal com a sua parceira, ele é o herói. 

Já a mulher que decide explorar essa possibilidade é uma vagabunda. “Na superfície social, o homem percebe isso de forma compulsória, do tipo ‘se ela quiser praticar, tudo bem’. 

O mesmo não acontece na perspectiva feminina: se uma mulher menciona o sexo anal, significa que há algo de mau com ela.

Questão de saúde

Para completar, existe uma enorme carência de informações sobre todos os aspectos envolvidos na prática. 

Mas, e se acontece um “acidente sujo”? A possibilidade de sair um pouco de fezes durante o sexo anal é real e, talvez, seja um dos principais factores que impedem o relaxamento das mulheres. 

Actualmente, existem uma série de dispositivos vendidos em farmácias e sex shops que ajudam a “limpar” o canal do reto.

O uso desses recursos pode deixar a mulher mais tranquila, mas é impossível – e nem seria recomendado, fazer uma limpeza completa.

Jogo de sedução

Na hora do vamos ver, só faz sentido se a mulher também tirar proveito da prática, se permitindo explorar novas sensações e usufruir de sua autonomia no sexo. 

Há mulheres que se sentem ‘putas’ quando fazem sexo anal, entrando no papel daquela que faz tudo na cama. Isso pode ser interessante, desde que ela sinta prazer nesse jogo.

Para algumas mulheres, no entanto, o papel de submissa é indissociável do ato. E tudo bem: não quer, não faz. E o parceiro tem que entender. 

Assim como são diversas as mulheres, são diversos os seus desejos. Então, para obter prazer no sexo anal a palavra-chave é experimentação.

Como começar?

Obviamente, há dicas para quem pretende iniciar-se. A primeira delas é não começar, literalmente, com tudo. Pedir para o parceiro explorar a região com a língua, por exemplo, ajuda a descobrir como o corpo reage às sensações.

Um dia, sexo oral expandido; outro, a ponta de um dedo; no outro, o dedo inteiro e por aí vai.

Sempre com lubrificante, porque o ânus não tem lubrificação natural e o atrito da penetração (mesmo de um dedo) pode causar microfissuras.

E cuspo não basta: é ralo e seca logo.

Uma outra dica é conciliar a exploração anal com estímulos do clitóris, com os dedos ou mesmo com um mini vibrador (minivibrador só no clítoris, heim? No ânus pode aleijar.

Embora seja possível chegar ao orgasmo apenas dando o cu, as massagens na outra zona erógena ajudam a relaxar e a excitar.

Quem consegue usufruir garante: vale a pena. 

Dar o cu é uma libertação sexual. A mulher que o consegue livrou-se de muitas amarras sociais.