Marido que gosta de levar no cu? - BIOGRAFIAS ERÓTICAS
Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapanesePortugueseRussianSpanish

Marido que gosta de levar no cu?

Já o contei aqui. Desde que tínhamos ido á terra onde eu tinha nascido, a atmosfera entre mim e o meu marido tinha mudado. Quando regressávamos a casa, eu ainda não sabia se vinha aí uma tempestade entre nós ou raios de sol. 

Nos primeiros 30 quilómetros, a viagem ia sendo feita em silêncio. Tinham passado apenas algumas horas que o meu marido me tinha apanhado em flagrante, ele viu o Flávio a comer a minha cona e o meu cu, o meu amigo da adolescência, e ainda nem sequer tínhamos falado sobre isso. 
O meu marido conduzia e de tempos a tempos olhava para o meu lado, e mirava as minhas coxas luzidias, nuas, abertas e saciadas, e eu tinha a certeza de que ele ainda tinha a visão de ver o Flávio a ejacular na minha cona. 

Para tentar perceber melhor ver: marido prevenido e resolvido

Até que ouço o meu marido perguntar “gostaste do caralho dele?”, eu não sabia o que responder, tinha apenas a ideia que quando o meu marido viu o Flávio em cima de mim a enterrar aquele pau imenso na minha cona, e depois no meu cu, ele tinha gostado, e por isso arrisquei, “amor, o que dizer, gostei claro, desculpa amor”. 

O meu marido sorriu, “não querida, não peças desculpa, eu não esperava gostar tanto de ver ele a comer a tua cona”, quando ele disse isto, senti-me mais descontraída, “gostaste, a sério, a tua querida, toda aberta a levar com aquele pau, amor?”. 

Ele abanou a cabeça a dizer que sim, e disse, “também gostei do caralho dele, grande e grosso”, agora fui eu a perguntar, “gostaste como?”, o meu marido continuou, “grosso e rijo como pedra, deu-me prazer vê-lo, ali duro, a partir o teu cu, e foi como se o sentisse a penetrar-me e a partir o meu cu também”. 

Para mim não era surpresa, não é que tivesse provas, mas às vezes em reuniões de amigos, havia sempre um ou outro que perguntada se o meu marido era gay, que ele tinha ar de gostar de levar no cu. 

E agora pela primeira vez eu ganhava liberdade para perguntar, “querido, porquê? tu gostavas que o Flávio fodesse o teu cu, amor?”. 

De repente reparei, tínhamos percorrido uma distância imensa sem darmos por isso, olhei para o volume nas calças do meu marido, e passei a mão a sentir o caralho teso, “estás excitado amor!”, abri o zip das calças e tirei o caralho dele para fora e comecei a acariciá-lo. 

Depois continuei, “ainda não respondeste!”, ele olhou para mim, parecia estar a medir as palavras, ao mesmo tempo vi rubor nas faces, até que ele disse, “porquê? gostavas de ver o teu marido a levar no cu?”, agora fui eu que me ri, “não era essa a pergunta, mas acho que sim, ia gostar de ver o pau grande do Flávio a foder-te o rabo”, e dei uma gargalhada. 


Ele estava com atenção à estrada, eu fazia uma punheta suave, quando ele continuou, “acho que sim, eu ia gostar do teu amigo a partir o meu cu, mas já sei que vais pensar que o teu marido é gay.” 

Eu aproximei os meus lábios da boca do meu marido a dar um beijo, "não importa, amor, tu és o meu gay e eu sou a tua puta", e depois continuei, "ai amor, o Flávio fodeu-me toda, gostaste mesmo de me ouvir gemer?", eu senti que eu e o meu marido estávamos a atravessar barreiras quando ele disse, "gostei amor, eu fiquei cheio de tesão quando ele enterrou o pau no teu cu, o teu ânus a abrir todo e o caralho dele a entrar, foi lindo ver que tu gritavas de prazer".

Debrucei-me sobre ele, e comecei a chupar-lhe o caralho, a engoli-lo na minha boca, o meu marido continuava, "e tu dizias para ele te foder mais, e depois dizias que não querias mais e ele continuou a foder o teu cu, e quando ele se veio? a porra dele a escorrer do teu cu, adorei os teus orgasmos, querida".

Eu levantei-me um pouco a sorrir, "eu sou a tua puta, amor, gostas da tua puta?”, continuei a chupar o caralho do meu marido, eu ouvi-o a gemer, a dizer "foda-se que vou vir", até que o senti tremer, veio-me um gosto de leite amargo á boca, que bebi e lambi todo. 

Quando me levantei de novo, cheguei perto do ouvido dele a beijá-lo na face, “temos que fazer umas festas querido, a tua puta vai querer mais caralho, vais ver mais vezes a tua puta a levar no cu, queres amor?”. 

Ele sorriu a dizer que sim, nós estávamos a chegar a casa, e eu ouço-o dizer, “e o teu gay? também vai querer?”, eu respondi a passar-lhe a mão pelo cabelo a sossegá-lo, “vamos arranjar muito caralho para nós os dois. “

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo