Chamei doutor de gajas psicopatas com mania de domínio - Biografias Eróticas

Chamei doutor de gajas psicopatas com mania de domínio

A Bertha contou ao BE como foi:

Foi o Doutor Manecas que me salvou a mim e ao meu marido. Melhor, recuperou-nos o mais importante na união entre duas pessoas, a cumplicidade, os segredos só nossos, a intimidade perdida. 

Não sei como aconteceu, ou como começou, mas a dada altura acho que comecei a infernizar o meu marido, ou homem, digamos assim. Controlava-lhe todos os passos, todas as decisões que tomava, onde ia ou deixava de ir, a contradizê-lo em tudo, preso por não ter e por ter cão, gritava com ele, chamava-lhe nomes, primeiro em casa e depois em qualquer lado, ameaçando-o de tudo e mais alguma coisa, explodindo à menor razão ou por razão nenhuma.

Eu e ele já não vamos para novos, os filhos já abandonaram o ninho, financeiramente temos tudo, e de repente, no que seria o melhor período das nossas vidas, com tempo para tudo e mais alguma coisa, comecei a infernizar-lhe a dele.

Não sei se por um qualquer desequilibro químico, ou por uma depressão inexplicável, estava doida, partia tudo, gritava e injuriava, "és um filho da puta, meu grande cabrão, e se eu for foder com outro?".

Não o sentia humilhado, reconheci isso depois, ele sempre em silêncio a sofrer, dizia-lhe que ele já não me fodia, os anos a passar, explicava-me ele "humilhas-me e queres que tenha tesão para te foder?, não sei o que fazer, estás doente".

E foi quando ele, um belo dia, me apareceu em casa com o Doutor Manecas. O Doutor era um miúdo a rondar o jovem, não mais que 30 anos, bem vestido e com ar professoral, psicólogo de dia, dominador de gajas doidas à noite, descobrira-o o meu marido por um colega do serviço, "se a tua mulher anda maluca, fala com o Doutor Manecas".

Mirei-o com curiosidade, "o que é que este miúdo musculado e bonito está aqui a fazer", "que brincadeira é esta?", pensava. O meu marido virou-se para mim e disse-me "pedi-lhe para vir para nos ajudar, dizem que faz milagres", "milagres, de quê?", perguntei.
"Milagres ao teu estado de humor e ao nosso relacionamento", respondeu ele. O Doutor Manecas estava em silêncio a avaliar-nos, até que disse "Bertha, ele disse-me que tem andado descompensada, e eu vou ajudar-vos nisso".

"Não sei o que o meu marido lhe disse, mas é melhor sair desta casa, ele não quer fazer nada", respondi-lhe, elevando a voz.

O Doutor Manecas de repente saltou do sofá, correu para mim, a pôr-me a tremer, com cara de que me fosse bater, "sua cabra, sua puta, cale-se, quem manda sou eu", apertou-me o pescoço por trás, "aí, no chão de gatas e calada, só fala quando eu mandar".

Olhei para o meu marido e vi que ficou surpreendido e assustado, se calhar do tratamento violento, "não abre a boca, quietinha, sua vaca passada", continuava a gritar.

Fiquei aterrorizada, pensei logo noutra coisa, que me fizesse mal a mim e ao meu marido, um esquema qualquer em que se tinha metido, a agora estávamos fodidos, tínhamos que reagir, mas como?.

"A partir de agora, enquanto aqui estiver, minha puta do caralho, és minha escrava, dou-te um ordem e fazes o que eu te mandar, estamos entendidos?". De gatas eu, como se fosse um animal, um cão, ou outro bicho qualquer, de cabeça apontada ao chão, dizia-lhe que sim, que sim.

O meu marido estava parvo, "grande cobarde, filho da puta", pensava eu, "como vamos sair desta, este cabrão borra-se de medo". Olhei para o Doutor Manecas a despir-se, um pénis imenso, grosso e já meio entesado, "que corpo lindo", olhei eu confusa, "vai violar-me", pensei.

Veio por trás de mim, "não olha, quem mandou olhar?", senti uma palmada no rabo, um castigo por ter virado a cabeça, "para a frente", quando senti uma espécie de saco preto de tecido a ser-me enfiado na cabeça, "vai-me matar", pensei, "socorro", gritei, "não grita sua doida maluca, ou leva mais, ninguém te faz mal", senti a voz grossa dele junto aos meus ouvidos a apertar-me o pescoço.

"Já te disse, eu mando e tu obedeces, certo?", a voz ressonante do Doutor Manecas, "sim obedeço", saiu a minha voz dentro do saco negro. 

Senti um cinto, uma coleira a ser-me apertada ao pescoço, "agora és minha, pertences-me, percebes", dizia o Doutor Manecas, "responde" continuava, "sim sou sua, eu obedeço".

Por trás, as mãos dele alçaram o meu vestido leve, e num gesto violento, senti as minhas cuecas a serem arrancadas, e semi-nua agora, imaginava à vista dele, o meu rabo e vagina disponíveis, não sei porquê, acho que por qualquer reacção psicológica interior, não tinha medo, só pensava no caralho dele que vira à pouco.

De repente, com os meus olhos no escuro, a minha respiração insuficiente, os sons envolventes distorcidos, uma sensação de queda, desde quando isto começara?, perdida no espaço e no tempo, senti o caralho dele a penetrar-me a cona, "ai, que me dói, ai, ai", gritei, num misto de dor e prazer, o meu marido sem me foder.

"Não grita, calada, tem de aguentar", puxava-me a coleira para trás, como cadela desembestada, a cavalgar-me a entrar e a sair, a esfregar-me as comissuras da cona, a martelar-me as nádegas, os quadris fortes dele, não sabia se chorava ou gozava, a minha vagina molhada, "ai, o que está a acontecer?", gritava, "calada, sua cadela".

"Tu aí, despe-me esta cadela, quero apertar-lhe as mamas", gritou o doutor Manecas para o meu marido. Partia-me a cona toda, "a tua mulher tem uma cona apertadinha, quero comer-lhe o cu também, diz que sim, diz que sim", ouvi o meu marido a dizer que sim. 

Senti-me nua, apertava-me as mamas, "ai", gritei de prazer, os meus mamilos puxados, o caralho dele a enterrar-se em mim, com força a bater, para dentro e para fora. 

"Vou comer o cu a esta cadela maluca", gritou o Doutor Manecas, quando senti o pénis dele a forçar-me o ânus, a lembrar-me do meu marido que nunca me fora ao cu, "toma, tens de aprender a obedecer, doida maluca", dizia ele já a abrir-me o rabo com o caralho dele.

"Ai, não que me dói tanto, não não", vieram-me as lágrimas aos olhos, "vá, tu excita esta doida, esfrega-lhe essa rata desordenada", o meu marido junto de mim, conhecia-lhe o cheiro e a respiração, "grande cabrão que me saíste", a dar-me um tesão enorme, toda encharcada em baixo, ao movimento da mão dele.

Acho que perdi por momentos a razão, como se saísse de um buraco profundo, ou do fundo do mar para a superfície, ar fresco nos meus pulmões, gemia desalmada e doida, com o Doutor Manecas a foder-me, o meu marido a excitar-me, o meu clitóris tremente, "merda, estou a vir-me, ai foda-se", a cair dormente.

Por momentos, via de novo, sem o saco preto na cabeça, olhava fulminando o meu marido, cúmplice na preparação e na execução, mas o que tinha acontecido?, "nós agora vamo-nos sentar aqui no sofá, a falar e a descansar, e tu ficas aí no chão caladinha como uma cadela", disse o Doutor Manecas.

Obedeci, sem abrir a boca. Obrigado Doutor Manecas.


(conto erótico cedido a https://biografiaseroticas.blogspot.com)

1 comentário:

  1. Excitei-me em apenas ler... Imagina na prática...
    Temos muito em comum. Tu não serias minha alma gêmea
    Obrigada pela visita...

    ResponderEliminar

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo