Sabia da importância de um bom broche? - Biografias Eróticas
Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapanesePortugueseRussianSpanish

Sabia da importância de um bom broche?

Todos, homens e mulheres, sabem da importância de um bom broche no decorrer de um ato sexual, mas geralmente no momento desvalorizam essa importância, ou não sabem mesmo como fazê-lo em condições.

O broche é coisa antiga, do latim fellatio, bem documentado em registos egípcios e maias, e tal é a sua importância que não há terra ou sitio que não lhe dê nome próprio, broche, blowjob, boquete, chupeta, mamada, e não fica por aqui.

Agora o broche não é só pôr um caralho na boca, chupá-lo e pronto. 

Envolve algum conhecimento, muito próximo da arte, uma espécie de bailado, para o colocar em prática e saber dele tirar o melhor partido dos seus efeitos e do que vem a seguir.

Em termos de classificação o broche decididamente é considerado como fazendo parte dos preliminares da foda, e se é assim, não há foda com sucesso sem um broche perfeito e em condições.

O problema é que é tão bom que há mesmo homens e mulheres para quem o broche é quase tudo na relação, eu que o diga, que sofri às mãos de uma namorada cujo objectivo na vida era mamar, que querem mesmo é ficar-se por ali e o resto que se foda.

Em termos práticos, o broche foi pensado para deixar o pénis bem teso, mas mais importante, levar ao cérebro do homem, a vontade e a promessa de que há alguma coisa ainda melhor lá para a frente, só que, com o passar do tempo, a prática evoluiu, adquiriu novas manifestações e agora não há quem queira outra coisa.

E depois temos as circunstâncias, já que em função delas, assim a qualidade do broche.

Isto porque os broches não são todos iguais, há digamos algumas linhas a seguir para definir a execução do broche como sendo broche, só que depois há múltiplas variações.

Em termos simples, é preciso levar em conta o tamanho do pénis (o micro é um caso perdido) e a condição de quem o recebe, se aquece facilmente ou se necessita, enfim, de mais intervenção.

As condições externas também são importantes, é sempre bom ter atenção ao local, ao ambiente (música, cheiro, visual, audição, tacto).

Enfim tudo importa, e o homem que é sempre muito desleixado nestas matérias deve preocupar-se que há circunstâncias que dependem dele, mais do que da mulher, ou se for o caso, do homem, para que um bom broche se concretize com sucesso. 

Indo ao que interessa, do seu saber, disse-me a Carlota, minha irmã, que nisto de broches é uma autoridade:
Imagem de StockSnap por Pixabay 
Quando agarra no caralho de um homem, e é sempre bem pela base, diz ela, mostra sempre para ele um sorriso de aprovação como que a dizer "gosto muito, que belo espécimen". 

Mesmo que isso não seja verdade dá-lhe uma sensação de confiança que faz melhorar ainda a forma como ele ajuda à execução do broche.

Para lhe transmitir uma sensação de calma e de segurança, mas também para um certo abrir de pano, de espetáculo vai começar, passa a mão ao de leve, pelos colhões, pelo ventre e umbigo, coxas, pintelhos, quase um circulo como que a dar relevo ao centro de atenções que é o caralho e os seus dois amigos.

Depois, dá-lhe uma primeira lambidela de baixo para cima, na parte de baixo, sempre a olhar para ele, numa abordagem geral, como que a dizer-lhe "sou a tua putinha, vais ficar maluco com o que te vou fazer".

Dá-lhe depois uns beijinhos insistentes na prega da cabecinha com a ponta da língua, a tirá-lo cá para fora, como tartaruga a sair da casca, fazendo com que o caralho se arrebite logo, e o homem fique a sentir o ânus e as nádegas a apertarem-se de tesão.

Aperta-lhe depois a cabeça do caralho nos lábios fazendo uma pressão intensa quase a fazer-lhe doer, transmitindo-lhe ao cérebro a sensação de grandeza de uma coisa grossa para uma boca pequena.

Desce depois os lábios pelo caralho abaixo subindo e descendo lentamente, intermediando com saídas para os lados com a língua sempre muito molhada, a incluir os colhões, e a dar-lhe indicação que a história não fica por ali.

Agarra-lhe sempre uma nádega como que a pedir-lhe que avance e participe, seja um ato a dois, fazendo com que ele se movimente para dentro da boca dela, movimentando as ancas ao mesmo tempo que o chupa todo para dentro da boca.

Se está de lado, gosta de dominá-lo, de o pôr em ponto de rebuçado, aperta-lhe o caralho na base para o deixar teso ao limite, para que sinta que prazer e dor são faces da mesma moeda, sempre com os olhos malandros nele, a boca aberta, a língua a tremer, para o excitar.

Diz ela que é quase uma arte, a execução tem que ser perfeita, tempos, respiração, tudo muito bem coordenado, os sons, os cheiros, até a luz ambiente, o local, tudo importa.

Se está de joelhos em frente dele gosta de fazer o papel de submissa, sem vergonha, que ele a admire como mulher experiente, que lhe chame nomes como "és a minha puta, és tão boa, malandra, adoro essa boquinha".

Diz que, pela sua experiência, há mulheres que não gostam, mas diz ela, que adora que os homens falem e troquem impressões sobre se a execução está a decorrer com perfeição, fornecendo instruções como "isso mama aí, chupa a cabecinha, os colhões".

Quando o homem está em ponto de rebuçado, ela diz que sente pela respiração dele, aumenta a aceleração acompanhada de uma leve punheta, fazendo o caralho deslizar com mais rapidez pela boca, mas sempre a fornecer-lhe algumas indicações com os olhos e a língua para ele se conter para durar um pouco mais.

No momento em que o homem se vem, diz que aí a coisa é mais delicada, há homens que gostam de se vir para cima dela, outros são mais púdicos e não gostam, por acharem que a estão a desrespeitar como mulher, uns gostam que engula e outros não, tudo depende da maneira de ser.

4 comentários:

  1. Um bom broche é sempre muito bem vindo ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Necessário é procurar a perfeição, um trabalho sempre inacabado

      Eliminar
  2. Os homens gostam. As mulheres também. Mas as mulheres também gostam de serem chupadas e será que todo o homem tem sabedoria e Arte na chupadela? ihihhihih

    Desejando boas entradas em 2019.
    .
    Continuação de festas felizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com certeza, essa matéria terá que ser estudada em breve, irei em busca de algum perito no assunto para reunir alguns elementos de ajuda a debutantes do minete

      Eliminar

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo