A minha madrasta quando quer, sabe ser minha amiga - Biografias Eróticas

A minha madrasta quando quer, sabe ser minha amiga

O Zé Pedro conta ao Biografias Eróticas como foi:


Isto que conto não é tanto uma confissão, é mais uma daquelas coisas que nos acontece, ou se calhar só a alguns, em que fui viver com o meu pai e a Bela, companheira dele de há quatro anos.

O tempo foi passando, com ela a implicar comigo, o meu pai saía em trabalho, e, quando regressava, ela lá lhe fazia as queixinhas, que eu era um preguiçoso, escola não era comigo, que passava noites fora, na brincadeira e sem dar conta para onde ia, um inferno, confessionário.

O meu pai lá aguentava, dizia "ob Bela, o rapaz é jovem, estes putos são assim", mas ela insistia, que eu fosse embora, que mãe não era ela, para me dar educação.

O problema foi, ou melhor deixou de ser, quando ela me apanhou, na casa de banho, entrou de repente, a pensar que não estava lá, a bater uma punheta, com o caralho bem teso e rijo, enrolado na minha mão, que ela só disse "ai desculpa Zé", de boca aberta e olhos vidrados, o meu caralho como agulha magnética, para onde ele ia iam os olhos dela.


Ainda tentei esconder o caralho, mas só com as mãos não podia, estava nu e entesado, segundos a olharmos um para o outro, sem saber bem o que fazer, até que ela saiu a dizer "desculpa desculpa foi sem querer, não sabia que estavas a fazer isso", até que eu tranquilo, acabei de bater a minha punheta, deve-me ter ouvido a gemer.

O meu pai não estava, andava não sei onde em trabalho, a Bela só me olhava, silenciosa a medir-me, dias que passaram assim, em que ela me olhava para as calças, eu para as mamas, pernas e cu dela, muito solícita e minha amiga, "Zé anda jantar está na mesa", o que não faz um caralho teso.

Já lhe tinha visto a cona, no barraco do quintal, feito de madeiras velhas, passava eu e ouvi-os a gemer, com o meu pai a ir-lhe ao cu, ela de saias até cima, papos da cona ali à vista, as mãos dela a acariciá-los.

Da outra vez, vi-a a fazer-lhe um broche, passava eu para a cozinha, deixaram a porta aberta, ele sentado na cama, a Bela de joelhos a mamá-lo, ele sorriu quando me viu, a assentir a dizer com os olhos, "tás a ver bela companheira que tenho", ali estive na ombreira da porta, a vê-lo empurrar-lhe a cabeça.

Ela resolveu tocar no assunto, trazia umas calças apertadas, um licra bem fininha, justa ao corpo e às curvas, coisa nova que comprara, "Zé, eu vi, sabes, sei que precisas, mas devia ser no teu quarto, ou avisar", respondi, "ia ter contigo, e dizia, olha Bela vou bater uma punheta, não incomodes, é isso?".

"Não não, mas", ouvia-lhe a sair da boca, virei-me para ela, a agarrar no meu pau grosso nas calças, com a mão bem cheia, e disse-lhe "Bela esta conversa tá-me a fazer tesão, vou bater uma punheta, posso?", balbuciou ela "podes mas..", "olha vou bater uma a pensar em ti", respondi eu.

"Pensar como?", "ora a ver-te nua, a foder-te, a fazeres-me um broche, é isso", tinha a cara vermelha, boca seca de tesão, as mamas arrebitadas, papos inchados na licra que vestia, não conseguia lidar com o momento, "a foderes-me?", gaguejava, "vi-te a levares no cu do meu pai", dizia eu.

Dizia ela, "vis-te o quê?", "isso não importa, gostavas de me ver bater uma punheta?", perguntei-lhe, "eu ver-te? e o teu pai?", "ele só sabe se lhe contares, anda, vamos pro meu quarto", ela caminhou atrás de mim, a seguir-me meio autómato, daquela dúvida do vou não vou, entrou no meu quarto, disse-lhe "senta-te aí".

Fui-me despindo, até que fiquei nu, a acariciar o meu caralho, sentado na cama a olhar para ela, as pernas dela a abrirem-se, a cada batidela que eu dava, "gostas do meu caralho?", perguntei-lhe, sorrir foi a sua resposta, descia lentamente a mão nele, a abaná-lo bem durinho, a provocar-lhe o interesse, ao vê-la ali na penumbra, a ver-me de olhos fechados, a saborear a minha punheta.

"Deixas-me ver-te nua?", continuei, "não sei se devo", diz ela, "vá deixa, o meu pai às vezes é um sacana, não sei se gosta mesmo de ti, ele quer é uma cona às ordens, vá, mostra-me", via a subir e levantar-se, eu feliz pela expectativa, a ver-lhe a roupa caída, a sentir perto o cheiro do seu corpo, da boca e do calor.

Deixou-se cair na cadeira, a abrir-me as pernas todas, aquele tufo de pelos ali ao meio, uma cona rosada de tão húmida, mamas tesas e arrebitadas, passava os dedos nelas a provocar-me, no clitóris rijo a mostrar-mo, lambia os lábios de tesão, ao ver-me a bater a minha punheta.

Levantou-se até mim, não foi nada que lhe pedi, agarrou-me no caralho, a empurrar-me de lado e das minhas mãos, e começou a mamá-lo, a olhar para mim, a boca dela deslizava pela pele, lenta devagar e sem pressas, num ritual sagrado que tem os seus tempos, a língua e um cuspe escorregadio, a martelar-me a cabecinha, mas que bela madrasta que eu tinha, que belo broche me fazia, a olhar-lhe o cu à minha espera, rabo tão bom que já conhecia.

Mamava-me com tal frenesim, era alta a respiração dela, a acelerar com os lábios abaixo, a apertarem-me forte o caralho, da baixo para cima enfurecida, a punhetar a cona dela, que a ouvi vir-se descontrolada, a bater-me uma punheta interrompida, que me fez vir para cima dela.

O meu pai chegou no dia seguinte, acho que esperava queixas da Bela, não dizia nada calado, mas ao mesmo tempo desconfiado, era fruta a mais e não aguentava, perguntou "então o rapaz portou-se mais ou menos", "Tá a melhorar, tá a melhorar", disse ela sem o convencer.

4 comentários:

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo