São vegans extremistas Dr. Manecas - Biografias Eróticas

São vegans extremistas Dr. Manecas

Andei eu, confessionário, a criar dois filhos para isto, o meu marido deixou-me, eram demasiados problemas, eram tantas as promessas, que eu me empenhei em tudo sozinha, dois trabalhos, dinheiro, o meu tempo que lhes dava, nem namorados novos tive, que bem os tinha arranjado, mas quando se apercebiam, que eles eram vegans extremistas, eram como o meu marido, eles fugiam.

Os meus filhos já não são novos, nem percebo como aconteceu, esta mania de só foder verdes, é as hortaliças, é os tubérculos, frutas de todo o tipo, e então confessionário, tudo o que tem a forma de uma caralho, isto para a minha filha, e de uma cona, isto para o meu filho, não escapam, fodem tudo o que apanham.

E eu até dou desconto, sou vegan concerteza, é que confessionário, tenho muita honra nisso, era casada e estava grávida, e já só comia coisas verdes, grelos e outras misturas, há anos não sei o que é peixe, então carne meu amigo, não a suporto e não a quero, ao contrário do meu marido, que me metia nojo com os bifes, trazia-os num saco e fritava-os, fazia um ruído estridente, mais pareciam animais a gritar.

Mas isto confessionário é demais, estes meus filhos comem, mas também fodem os vegetais, não havia como resolver, indicaram-me o Dr. Manecas, desse médico muito falado, que é psicólogo de mentiras iluminadas durante o dia, e ensinador de verdades ocultas à noite, dizendo que o homem tem sempre solução para tudo, e eu fui a correr ter com ele, me queixar deste mal, queria recuperar os meus filhos.

Quando entrei naquele templo, como algumas amigas me diziam, tremi quando vi o Dr. Manecas, homem jovem e sereno, vestido com uma túnica branca, esvoaçava como se houvesse vento, via-lhe as formas do corpo, definidas as coxas e o pau grosso, "ai meu deus, há tanto tempo não fodia", elas inventavam problemas, elas só pro ir consultar, bem me tinham avisado, Dr. Manecas tem solução, mas amiga não falha, tem tratamento tem foda, você vai ver, vá se preparando.

Eu trazia a minha cueca de renda, bem preparada já eu estava, mas quando me falou "Então D. Graça, o que se passa?", ouvi aquela voz turbinada, que mexe no ar e faz vibrar, nossas cordas interiores, da alma e do mais profundo ser, fiquei com a cueca toda molhada, quando falava "são os meus filhos sr. Dr., viraram vegans extremistas".

Acho que ficou surpreso, já deve ter visto e ouvido de tudo, mas esta ele não sabia, "eh pá, D. Graça, essa nunca tinha ouvido, de haver vegans extremistas, conte lá isso melhor".


"Oh Sr. Dr., a minha filha e o meu filho fodem tudo, não há vegetal que lhes escape", eu ia dizendo e ele se rindo, que tudo começou dentro de casa, primeiro as cenouras e as curgetes, mal chegavam desapareciam, perguntava-lhes onde estavam, e eles não me diziam, até que um dia apanhei a minha filha, a meter no cu um pepino, que eu acabava de ter comprado.

"Fiquei de boca aberta, Dr. Manecas", dizia-lhe, pensava que era coisa de jovem, mas depois descobri o meu filho, vi-o foder uma couve roxa, ia para o quarto dele, para lhe perguntar umas coisas, ele tinha a porta aberta, e foi quando o vi, na cama agarrado àquela coisa, tinha o pau teso, com que espetava a couve, o rabo dele mexia-se pra baixo, pra entrar no buraco da couve, estive ali por momentos, até que o vi vir satisfeito.

Depois fui acompanhando a situação, "e foi quando percebi, Dr. Manecas, tinham-se tornado vegans extremistas, não comem nem fodem animais", contei-lhe que havia queixas dos vizinhos, eles atacavam as hortas em volta, como uma alcateia organizada, entravam e roubavam os vegetais, e disse-lhe "pensa que é para comer? não, não é, é pros foder? batatas doce, abóboras, tudo o que seja comprido ou redondo, levam tudo com eles".

"Ha ha ha ha ha", ele soltou um riso estridente, tão belo e tão bonito, olhava-lhe pros dentes brancos, mais lá para baixo pro volume grosso, "vamos lá ver, isso se calhar é fácil de explicar, D. Graça", expliquei-lhe que também era vegan, quando ele me perguntou "então D. Graça, mas a senhora não é extremista? Dava fodas com o seu marido, comia carne, digamos assim?", fiquei a gaguejar, não sabia o que responder, "dava dr. Manecas, dava, sem convicção, mas dava".

Mas continuou a atacar a minha alma, "e agora que o seu marido foi embora, como faz?", tinha suores frios na testa, parecia que a minha verdade vinha ao de cima, memórias passadas que ele puxava, "bem, sr. Dr. fez-me lembrar uma coisa, espero que não seja disso", "diga diga", estava toda vermelha, não tirava os olhos do pau dele, excitava-me os movimentos, a maneira como me punha a mão nas pernas, assim no meio das coxas escorregando, que se iam abrindo quando falava, como porta entreaberta para ele entrar.

"Lembrei-me agora que eles viram-me a acariciar-me com um pepino, lembrei-me sr. Dr., deve ter sido isso", ele dava-me leves toques nos ombros, na minha pele descoberta, "pois é, está a ver, eles estão confusos, pensam que a mãe também é vegan extremista, e então o que viram?", contei-lhe que estava na cama, não sabia que tinham chegado, punha o pepino na cona, a entrar e a sair, gemia alto e devem ter ouvido, foi quando me vinha tremendo, que os vi à porta a olhar.

"E carne? já pensou comer alguma carne?", gritei logo de pavor, "ai que horror sr. Dr. não me fale numa coisa dessas", mas ele insistia, ia-me acalmando no meu sentir, "não não D. Graça, refiro-me a esta salsicha grossa que aqui tenho, quer comê-la?", agarrava o pau grosso, teso que se via nas calças, assim com a mão cheia, "que tal esta salsicha? posso tratá-la já, o que acha? imagine que é de tofu".

Respondi-lhe assim meio-sonsa, bem sabia o que queria, nem era vegan extremista, uma salsicha grossa me faria bem, "essa talvez, sr. Dr.", ele tirou-a para fora, um caralho comprido na minha boca, bem grosso bem carnívoro, era coisa que não via, fui chupando e saboreando, apertado nos meus lábios, aquele pepino vermelho, cheio de nervuras enroladas, "está a gostar da salsicha? que tal?".

"E um salpicão agora no rabo, D. Graça, alimenta, vai ver", despi-me toda depressa, não havia tempo a perder, que o mal viesse de uma só vez, virei-lhe o rabo a dizer "ai dr. dê-me com o salpicão, mas não quero ver", enterrou-mo na cona húmida, abriu-me as nádegas para ele passar, escorregando nas bordas tesas, saltou sobre mim como um animal, prazer maldito de querer mudar, partia-me a fenda qual besta solta, "ai D. Graça, é só carne, vai comer esta carne toda no cu, vai gostar".

Eu já não dizia nada, já me tinha abandonado, esquecido os meus preceitos, se eram rígidos que se fodessem!!, hoje comia carne, amanhã vegetais, sentia-o a abrir-me o cu, uns colhões de touro a balançar, a cabeça doida a forçar, "ai sr. Dr. que salpicão tão bom, sr. Dr.", apertava-me o ânus a esfregar, batiam-me nas nádegas as ancas que mexiam, subiu para cima de mim, e matraqueava-me o cu a avançar, já me tinha esquecido dos meus filhos, era coisa que não me importava, se queriam ser vegans extremistas, era com eles aceitava, que para mim passava a comer carne.

Só me lembro de me vir toda encharcada, uma torrente que estava fechada, atrás de um dique que ruiu, e fui-me embora para casa, fui ao frigorífico e vi, hoje não comia vegetais, já os meus filhos os tinham fodido.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo