São segredos de piscina interior de hotel - Biografias Eróticas

São segredos de piscina interior de hotel

Tínhamos acabado de chegar a Santorini, eu, a minha mãe e a amiga dela, Érica. Trazia comigo colado à pele o sentimento pegajoso de uma viagem longa, fechado num avião, a ver cus, mamas, e outras coisas, da tripulação e passageiros, que só tratava à chegada, mergulhando na água que encontrasse mais perto.

No hotel, corri para a piscina interior, na esperança de um segredo só meu, o silêncio dela, a frescura interior, de um lugar que ninguém procura, é Verão, está quente, está tudo cá fora, e eu ali, só eu e o meu eu, à sombra, protegidos da violência do sol, só umas janelas desenquadradas, com os meus olhos alongados para o mar, de uma ilha encantada como aquela.
Elas, a minha mãe e a Érica, tinham-se entregue aos destinos delas deixando-me solto pela ilha, e penso nelas, o que estarão a fazer, quando miro a água da piscina, a expectativa fresca, uma calma introspetiva, um cheiro a doendros no ar, um liquido ondulante e pastoso, só um zumbido de vida lá fora, sons distantes do hotel e das pessoas a passar, tiro os calções, ninguém vem aqui, e nu mergulho nela.

Dava braçadas na água, um fresco vigoroso, entregue a mim próprio, que me percorria o corpo todo, quando ele "o sem nome" apareceu, nos seus pouco mais de trinta anos, a olhar-me curioso, pela juventude e o ânimo.

Olhava-o quando se despia, a tirar a camisola e a pouca roupa que tinha, um corpo seco sem ser magro, com ar de homem de família descuidado, entrou na água em silêncio, como que a não perturbar o dele e o meu, e mergulhou fundo.

Acho que reparou que estava nu, como peixe passou por mim, rodava a cabeça surpreendido, por ver o meu pénis e o meu rabo, ali oferecidos naquele lugar, oculto e esquecido, uma espécie de momento divino, um altar de deuses, ele o gigante, e eu o querubim.

Saiu da água, sentado à beira da piscina, os olhos dele nos meus, em silêncio como prenúncio de uma batalha, admirava-lhe os pelos densos nas pernas e no peito, molhados e húmidos como lã à chuva, o volume apertado nos calções, um alto desconfortável e teso, que ele ajeitava com a mão.

Sai também da água, no meu gingar de miúdo, todo nu e entesado, com os nossos olhares unidos aos pensamentos, o meu ânus a tremer, o meu desejo a aumentar, tinha acabado de chegar, e já estava a querer foder. 

Sentei-me numa cadeira, do outro lado dele, todo nu na mesma, abri-lhe as pernas a meio, vi-o a tirar o caralho para o lado, a abaná-lo para cima e para baixo, grande e grosso mesmo ao longe, um jogo mental para mim, "estás a ver? está aqui, é só vires buscar, todo para ti", passei os dedos pelo meu ânus, a aquecê-lo como uma vagina, a minha língua a correr nos meus lábios, a imaginar o "sem nome" a ir-me ao cu.

Levantei-me e já sem surpresa, andei para os chuveiros, mirava-o para trás das costas, com ele atrás de mim, vinha com o pénis dele apontado, para o meu rabo branco e empinado. 

Nunca falámos, não trocámos palavras, só pensamentos, gemidos e cheiros, agarrei-lhe no caralho rijo, e como seu servo de cócoras, mamava-o, encostando a mão à minha cabeça, sem força esperava arte e desempenho, a lambê-lo todo como a um gelado.

O lugar era reservado e perigoso, em urgência querida por ele, foder-me e desaparecer, puxou-me para cima e virou-me, encostado prensado contra os azulejos, cuspiu na mão grosso, esfregou-me o ânus com aquele liquido quente, e rodeando com a mão o caralho, abriu-me as nádegas, e enterrou-mo no cu.

"Hummmm", foi o que senti, o caralho grosso e violento, a entrar em mim,  a fazer o seu caminho nas pregas do meu cu, ele queria satisfazer-se, foder rápido como fodia a mulher dele, fodia como animal a foder outro animal, sem consciência ou compreensão, batia com as ancas no meu traseiro, a gemer como um porco, agarrado às minhas costas e ao meu rabo, até que estremeceu e se veio todo, desmanchou-se e desapareceu.

Só o vi à noite na sala de jantar do hotel, com a mulher e duas filhas pequenas, num conjunto sem graça, nunca lhe soube o nome porque não quis.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Não deixe de comentar, o seu comentário será sempre bem vindo